Músicos e bandas

Artigos

Notícias

Discografia

Shows

Elomar, o menestrel das caatingas


Por I. Malförea
Elomar é uma figura ímpar na música brasileira, desses que só aparecem uma vez a cada era distante, assim como um João Gilberto ou um Villa-Lobos. Fez escola sem querer, a partir da década de 70, quando, a contragosto, gravou seu primeiro disco, …Das barrancas do Rio Gavião. Até hoje é idolatrado em todo o mundo por pessoas que facilmente o apontariam como o maior artista da música brasileira, apesar de ser muito pouco conhecido pelas novas gerações.

Sua aversão à mídia contribui muito para isso, e se tornou parte fundamental de todo o misticismo que o envolve: um homem rabugento que gosta de se enfiar em suas fazendas onde cria bodes e que detesta ser fotografado/filmado. Num dos raros vídeos de entrevista disponíveis na internet, não hesita em dizer que não suporta se apresentar e odeia televisão (veja logo abaixo). O que faz um homem assim ser tão amado pelos fãs que, diga-se de passagem, não estão na grande massa, e sim nas universidades, apesar de seus temas serem puramente sertanejos e compreensíveis pelo verdadeiro homem do campo do sudoeste da Bahia?

Elomar é meu conterrâneo. Também mora em Vitória da Conquista, terra-natal de outro ícone, Glauber Rocha. Já estive com ele uma ou duas vezes há muito tempo, e volta e meia o vejo em sua pick up andando por aí, além de passar em frente à sua casa regularmente. Isso, para algumas pessoas que moram longe, é simplesmente um sonho inalcançável. É uma sensação no mínimo curiosa. Este senhor de quase 80 anos, cabelos longos, botas, chapéu e com a cara de qualquer severo chefe de família do sertão parece um personagem de HQ: está sempre com a mesma aparência e, já sabemos, não é por marketing. Tudo em Elomar é absurdamente autêntico.

Seu estilo musical não é fácil de definir. Possui formação de violão clássico e invoca temas dos trovadores medievais constantemente, e misturando ao dia-a-dia do homem da zona rural da nossa região. É um sertanejo-erudito que consegue traduzir mais que perfeitamente esse povo, e isso é o mais incrível em sua obra: a música que é estudada pelos maiores teóricos da música e da poesia em todo o mundo pode ser compreendida sem qualquer dificuldade por qualquer pessoa que trabalhe com a enxada e apenas saiba escrever o próprio nome. Sua música cria uma distorção no tempo-espaço que consegue unir a Europa medieval à caatinga de forma incrivelmente natural e lógica.

Na década de 40 havia uma busca incessante por uma identidade nacional legítima, livre de estrangeirismos “desnecessários”, como os vindos dos Estados Unidos, então os holofotes viraram-se a Luiz Gonzaga, que também conseguiu traduzir uma parcela da nação de forma extremamente autêntica. Em 1956 seu reinado enfraqueceu (por ser música de mídia, explorada à exaustão) e entrou no chamado ostracismo, cedendo esse espaço à bossa nova e aos sambas cariocas, só voltando “à moda” quando os tropicalistas tiveram a coragem de assumir sua devoção ao pernambucano. Não há dúvida que Elomar, se já estivesse envolvido com a música profissionalmente nesse período, seria um sério candidato a sucessor do título de “símbolo musical brasileiro” que o baião deixou para a bossa nova. Sim, é música puramente brasileira, de altíssimo nível, e sem nenhuma influência do jazz americano. Exatamente o que se buscava.

O grande problema de Elomar é o mesmo de outros ícones, como Raul Seixas ou artistas mais recentes, como Los Hermanos (a quem nunca consegui escutar sequer uma faixa inteira): os fãs. Fiquem à vontade para criticar nos comentários, mas confesso que não consigo conversar por alguns minutos com um fã fervoroso do Elomar: os narizes empinam, o ego infla e fico esperando surgirem a cartola e o monóculo como por passe de mágica. Como disse anteriormente, Elomar é idolatrado nos meios acadêmicos, onde muita gente se sente a última bolacha do pacote. Ouvir Elomar, para alguns, é sinônimo de ser sim da elite intelectual brasileira, o que me afasta e impede de conhecer um pouco mais sua obra. Prefiro ouvir sozinho, imaginando as histórias com personagens bem reais, da zona rural da minha região, com quem este gênio um tanto antissocial se dá tão bem.

Os paulistanos terão, ainda neste mês, duas oportunidades de conhecer de perto esta lenda viva, nos dias 18 e 19, no Auditório Ibirapuera a preços muito mais acessíveis do que teríamos aqui em sua casa. Aproveitem e, se possível, contem como foi a experiência, aqui nos comentários.

------
Publicado originalmente em 10/07/2015, em Troca o Disco.

I. Malförea

O "Memória Musical do Sudoeste da Bahia" precisa da sua colaboração. Tem algum material guardado? Gostaria de publicar seu próprio texto aqui? Acrescentar ou retirar algo? Entre em contato através do "fale conosco". Vamos preservar juntos a nossa história!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Temas

1 1 em Pé 2 Alados 1973 1993 1994 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 96 FM Acrock Agosto de Rock Alex Baducha Andréa Cleoni Arlindo Polvinthai Artes plásticas Arthur Maia Artigos Assista! Benjamin Existe Biblioteca Municipal José de Sá Nunes Blog Blue Jam Blues BLUEZinada! Boom!!! Café com Blues Cama de Jornal Canta Bahia Captain Pepper Captain Peppers Carlos Albuquerque Casa Memorial Régis Pacheco Caso à Parte CCCJL CCCJL Sessions Chirlei Dutra chorinho Cinco Contra Um Cine Glória Cine Madrigal Circo de Cultura CMVC Coletâneas e Discos Especiais Coletivo Suíça Bahiana Conquista Moto Rock Coração de Jesus Cultura Destaques Deus e as Águas Deus Segue Nossa Guia Deus Seja Louvado Diglett Joes Dinho Oliveira Dirlêi Bonfim Diro Oliveira Discografia Distintivo Blue Divino Espírito Santo Documentos históricos Dona Iracema DP Edigar Mão Branca Edilson Dhio Educadora FM Elomar Em memória Emissoras Entrevistas Erudito: Orquestras e Bandas Marciais Espaço Cultural A Estrada Espaços Ester Barreto Evandro Correia Eventos Facebook Fainor Feira de Flores de Holambra Fenix Rock Bar Festivais Festival Avuador Festival da Juventude Festival de Inverno Bahia Festival de Música da Bahia Festival Educadora FM Festival Internacional de Violão Festival Pra Cantar Junto Festival Suíça Bahiana FestUesb Folk FomeStop Gafieira Brasil Garboso Geslaney Brito Gil Barros Gilberto Gil Gilmar Cardoso Gilmar Dantas Glauber Rocha Graco Lima Jr Grupo Barros Gutemba Heleno Ribeiro I. Malförea Iara Assessu Imagem do Mês Ingrid de Castro Brito J.C. D'Almeida JayVee Jean Cláudio Jequié Jeremias Macário João Omar Judson Almeida Kessller Ladrões de Vinil Larissa Pereira Letras & Prosa Liatris Lili Correia Livros Lomantão Lucas Arruda Luciano PP Lúcio Ferraz Luiza Aldaz MAC - Movimento Artístico e Cultural de Vitória da Conquista Magoo Malförea Mandacaroots Manual do Músico Marcelo Lopes March of Revenge Mariana Kaoos Marta Moreno Mictian Miguel Cortes MPBlues Musaé Música Autoral Músicos e bandas Natal Conquista de Luz Natal da Cidade Nem Tosco Todo Nem Tosco Todo e as Crianças Sem Futuro Nephtali Bitencourt No Canto do Choro No Palco Nós Vozes & Eles Notícias ÑRÜ O Rebucetê OAB Os Barcos Pablo Luz Palestras Pandemia Papalo Monteiro Paulo César de Araújo Paulo Macedo Pesquisas Plácido Mendes PMVC Poções Poesia Praça Tancredo neves Princípio Ativo Priscila Correia de Sousa Carneiro Público Quarentena Rádio FM 100 rádios Rafael Flores Raifran Ramanaia Randômicos Raquel Dantas Reason Reggae Regional Reis Renegados Retilínea Revista Gambiarra Roberto Carlos Rock Rock Cordel Ronny Voxx Rubenildo Metal Salvador Séries SESC Shows Sintoma de Cultura Som da Tribo Sorrow's Embrace Spit Clown Supercílio Tales Dourado Tamires Dias dos Santos Terno de Santo Reis Textos científicos Textos e reportagens de época The Dug Trio The JackHammers The New Old Jam The Outsiders Thomaz Oliveira Tomarock Tombstone Tonico Almeida Tosco Todo Tres Puntos Três Reis Magos TV Sudoeste UESB UESB FM UFPB Vídeo do Mês Videoclipes Viela Sebo-Café Vitória da Conquista VOceve

Twitter

Novidades em seu Email

Imagem do Mês

Vídeo do Mês