Músicos e bandas

Artigos

Notícias

Discografia

Shows


Programa exibido em 13/07/2021, às 21h. Apresentação: Jacqueline Silva. TV UESB, canal 4.1.
Em resumo, o porquê de o rock independente ser morto todos os dias não pela imprensa, o mainstream, o destino, os aliens, os espíritos dos natais passados, ou qualquer outra coisa, e sim pelo próprio PÚBLICO.
Ex.: O primeiro show da Distintivo Blue, em 22 de janeiro de 2010, tinha entrada de caríssimos R$4,00 (QUATRO Reais), e teve gente reclamando na portaria. "Como pode um espaço cultural cobrar entrada?" foi uma das frases que ouvi.
Cultura e arte, apesar de às vezes parecerem coisas divinas, são coisas BEM terrenas, e não surgem do éter. Surgem do suor, bolso e nervos de profissionais esforçados. Não existe caridade na arte: tudo é custo de serviços e produtos, que são pagos a alguém (Inclusive o MP3 que você prefere procurar pra baixar de graça ao invés de pagar menos de R$10,00 pra baixar do site do próprio artista).

------
Publicado originalmente em 12/06/2015, no Facebook.
Jackson já fez a alegria de muitos foliões nas Micaretas conquistenses. As mensagens de pesar se multiplicam não meios conquistenses.




Faleceu nesta terça-feira uma personalidade muito querida de Vitória da Conquista, Jackson Alcântara, vítima do Coronavirus. Ele estava internado no Hospital IBR, em decorrência do agravamento do quadro clinico. Músico da conhecida Banda Mixta, Jackson já fez a alegria de muitos foliões nas Micaretas conquistenses. As mensagens de pesar se multiplicam não meios conquistenses, o radialista Maciel Júnior, lamentou a morte no programa Redação Brasil na manhã de hoje. 
Relembre a Banda Mixta:


------
Publicado em 06/07/2021 em Vitória da Conquista Notícias

Há algumas semanas publicamos aqui a matéria do site da UESB sobre a nossa pesquisa sobre o rock autoral conquistense. A entrevista que serviu de base se deu por e-mail, com perguntas bem definidas. Obviamente, houve uma edição para que fosse apresentada ao leitor uma narrativa compatível com uma matéria jornalística, o que é comum. Apesar disso, acaba-se perdendo um pouco do sentido original das respostas, afinal, ninguém melhor que o próprio entrevistado para expressar exatamente o que acontece em seu contexto. Pensando nisso, disponibilizamos para vocês a íntegra das respostas, exatamente como foram enviadas à jornalista Joana Rocha. Assim, colaboramos com mais esse registro sobre as movimentações musicais da nossa época. Confira.

Plácido O. Mendes (I. Malförea / Joe Malfs)


1. Porque a escolha do tema e como ele se deu? Qual o objetivo da pesquisa?


 
A escolha do tema se deu de forma bastante natural: desde a parte inicial do recorte, que eu denomino ascensão da cena rock conquistense (primeira metade da década de 2000), quando eu ainda era um jovem estudante de História e começava a frequentar os shows, ensaios e a participar de bandas como vocalista, já havia uma consciência de que algo especial acontecia. Então, sempre que possível, guardava cartazes de shows, salvava reportagens de sites, fotografava bastante, sem saber direito o que fazer com tudo aquilo, mas certo de que, mais cedo ou mais tarde, trabalharia naquele material. Me inspirava na cena do rock de Brasília da década de 80, que gerou nomes como Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude, dentre outros. Percebia muitas semelhanças entre as duas cenas, ainda que situadas em momentos diferentes. Outras pessoas conhecidas também costumavam colecionar material como eu.

A banda Distintivo Blue, em Sousa-PB, durante turnê em 2014.
Crédito: Emerson Marvin

O tempo passou e, em 2019, resolvi criar um site chamado Memória Musical do Sudoeste da Bahia
para, enfim, realizar esse projeto antigo de preservação da riquíssima musicalidade da nossa região, de forma mais genérica, não focando apenas no rock, pouco a pouco, publicando o material que tinha em casa, pesquisando em sites locais, buscando gravações antigas de artistas que não as disponibilizaram em plataformas digitais, etc. Já havia feito trabalho parecido de 2011 a 2017 com uma zine/portal/podcast chamada BLUEZinada!, voltada especificamente para o blues, sobretudo o nacional. Foi quando, num estalo, me lembrei do Programa de Pós Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade da UESB e de como ele seria perfeito para o que eu já fazia. A ideia de transformar a minha despretensiosa pesquisa com o site em algo mais sério, acadêmico, tornou-se rapidamente um pré-projeto. Foi tudo muito dinâmico: tive a ideia, coincidentemente (ou não), em pouco tempo saiu o edital de seleção do Programa, redigi meu projeto, passei por todo o processo de seleção e, surpreendentemente, em poucos meses eu estava matriculado no Programa e me tornando discente da UESB pela terceira vez.

Um elemento importante para o desenvolvimento da minha pesquisa é: sempre fui entusiasta da música autoral. A música autoral, em minha opinião, é um retrato importante do local, das pessoas e do tempo em que foi composta. Logo, me preocupa/incomoda quando percebo, em pleno Estado de Direito, pessoas se calando, abrindo mão da sua tão valiosa liberdade de expressão. O rock é, antes de tudo, um grito por liberdade. Foi ao som do rock que importantes e positivas transformações sociais aconteceram no século passado. Para ficar num só exemplo, foi em shows de artistas como Chuck Berry que jovens brancos e negros literalmente derrubaram as barreiras que as separavam para celebrar a música. Então, costumo dizer: se quiser entender a mentalidade de um país e seu tempo, ouça seu rock: ele diz muito! Nosso próprio país ilustra muito bem isso. Assim, ao perceber, ao início do período que denomino declínio da cena conquistense (a partir de 2013, aproximadamente), um encolhimento da música autoral e um crescimento dos chamados shows-tributo, senti a necessidade de me debruçar sobre esse fenômeno, para compreendê-lo, bem como para mostrar que o rock conquistense (e neste ponto já não me refiro apenas ao autoral) merece ser estudado e devidamente posicionado à história cultural local como um movimento legítimo e digno, ainda que ancorado num gênero musical estrangeiro. Como disse, o rock diz muito, e possivelmente seja o gênero com maior capacidade de se moldar aos inúmeros contextos mundo afora, por isso, seu silêncio pode significar um ensurdecedor conjunto de fatores passando despercebidos.  Para mim, é um grande equívoco ignorar a cena rock de uma cidade pelo simples fato de não se encaixar no rótulo música regional.

 

2. Descrever a Metodologia utilizada.

 O que houve em Conquista entre 2000 e 2019, que é o meu recorte, foi de grande importância sociocultural, mas não foi único: o mundo inteiro testemunhou cenários semelhantes, não por acaso. Aconteceu, a partir do final da década de 1990, uma verdadeira revolução na indústria musical: a novidade da música digital em CD e a popularização dos microcomputadores, seguida pelo advento da

Recorte do jornal independente Cultura Jovem (2003) distribuído gratuitamente nos shows de rock à época.
Crédito: Plácido O. Mendes

internet foi o terreno ideal para um grande crescimento da pirataria, sobretudo no Brasil. Quando o formato MP3 se consolidou, as grandes gravadoras entraram em verdadeiro parafuso, numa batalha violenta para compreender seu lugar no novo mundo, onde a comunicação se tornou rápida e barata. A troca de experiências musicais atingiu níveis inéditos de abrangência e dinamismo. Assim, o fonograma, que correspondia a aproximadamente 2/3 da renda dos artistas, passou a valer quase nada. Dessa forma, a apresentação ao vivo tornou-se o carro-chefe da indústria (perceba que, atualmente, ao se ver um comercial de artista na TV, não se ouve mais disponível em CD, LP ou cassete, mas ouça agora em sua plataforma musical favorita. Não se compra mais o fonograma, e sim o serviço de streaming) e isso se refletiu nas cenas independentes locais. Com a nova realidade dos home studios, a comunicação facilitada, inclusive em nível internacional, formas mais simples e baratas de se aprender a tocar, como os sites de cifras, os jovens foram encorajados a montar bandas, ocupar espaços e se autoafirmar como tribos urbanas. A cena de Vitória da Conquista teve a mesma gênese das demais cenas pelo Brasil. Por isso, a minha pesquisa se divide em duas partes, sendo a primeira sobre entre esse estudo do macro para o micro, analisando as transformações da indústria musical, intimamente ligadas ao advento da internet. Revoluções aconteceram através de articulações em redes sociais. Não seria diferente por aqui. Essa parte da pesquisa é basicamente bibliográfica. Nesse meio tempo, me aproximando do local, há o interessantíssimo estudo do professor Will Straw, canadense, que aperfeiçoou, nos anos 90, o conceito de cena, fundamental em minha pesquisa.

Na segunda parte, evocamos Maurice Halbwachs, Pierre Nora, Michael Pollak e outros pensadores da memória em um consistente trabalho de história oral. Realizei 14 entrevistas com diferentes personagens da cena do rock conquistense, de diferentes categorias: músicos, produtores, técnicos de som, o público, jornalistas, incluindo pessoas que também vivenciaram períodos anteriores ao recorte. Isso foi muito importante para verificar se realmente a cena começou a se desenvolver apenas no período em que delimitei ou se seria uma hipótese equivocada. Um elemento determinante foi o fator pandemia. As entrevistas foram realizadas no ano passado, por isso, me foi impossibilitado o contato presencial. A experiência de se trabalhar com história oral por meio digital (escolhi a plataforma adotada pela UESB para as aulas remotas: o Google Meet, por ser simples e eficaz) em si já seria (e está sendo, pelo que percebo nas plataformas científicas) um belo objeto de estudo. Já estou, inclusive, preparando um artigo sobre essa experiência em si. Os desafios foram e estão sendo grandes, mas sigamos em frente!

 

3. Importância (impacto sociocultural), seja para a comunidade pesquisada, mas também para as pessoas da sociedade que tiveram e terão acesso à pesquisa de mestrado. (Se estiver disponível em algum link, favor deixar registrado aqui).

Quando comecei a selecionar pessoas para as entrevistas, usei as redes sociais para divulgar a minha busca, não só para mostrar, através do @memoriasudoeste, que havia alguém pesquisando a música

A banda Ladrões de Vinil em 2010, no Teatro Glauber Rocha (UESB).
Crédito: Plácido O. Mendes

local (isso porque é algo ainda raro, sobretudo quando falamos em rock), mas para incentivar as pessoas a participarem. Quando uma pessoa era entrevistada, contava a outras e, surpreendentemente, me vi na dramática situação de recusar propostas (inclusive levei até bronca por não convidar X ou Y) por ter um cronograma a cumprir (que já fora suficientemente bagunçado pela pandemia e a dramática adaptação à condição de confinamento) e por ser, o trabalho de história oral, lento e, não raro, árduo, sobretudo na fase de transcrição. Isso me trouxe um dado muito relevante: as pessoas, os membros da cena, se importam com ela e têm interesse em preservar sua memória. De certa forma, é como se aguardassem por alguém, um pesquisador, um jornalista, para documentar e externar suas experiências. Isso me deixou verdadeiramente feliz por ocupar esse papel neste momento. A minha pesquisa representa uma iniciativa concreta em favor do merecido posicionamento desse grupo social e sua identidade junto à história cultural da cidade. Temos Elomar e Xangai? Temos! Mas também temos Ladrões de Vinil, Cama de Jornal, Liatris, Dona Iracema, ÑRÜ, Distintivo Blue, Renegados, Garboso e uma lista que parece não ter fim. Tudo isso, somado aos tradicionais ternos de reis, à genial geração que brilhava nos festivais de música dos anos 80 e 90, a banda da Polícia Militar, as tão inclusivas orquestras, a cena do hip-hop conquistense e os artistas de gêneros mais popularescos (que também sofrem o preconceito da academia) formam a(s) identidade(s) musical(is) daquela cidade que volta e meia é chamada de celeiro de grandes artistas. Mas quais são esses grandes artistas? São muitos, e me encarreguei de tratar sobre alguns deles, pertencentes a um grupo, um nicho específico. Encorajo e convido a você, leitor(a), a escolher mais um nicho (ou até mesmo o que eu escolhi, porque cada pesquisa terá seu próprio ângulo de visão) e contribuir com esse importante trabalho de preservação da nossa memória e, consequentemente, nossa identidade enquanto conquistenses, baianos, brasileiros.

 

4. Quais fatos importantes e/ou curiosidades a pesquisa te revelou?

 Como disse, há pouquíssima bibliografia sobre o rock conquistense (na verdade, apenas dois livros: A Conquista do Rock, um panorama geral de Raquel Dantas e a autobiografia Vagando Por aí, de Emanuel Nem Moraes, vocalista e compositor da banda Cama de Jornal), então me preocupei bastante com a verificação das minhas hipóteses, que se mostraram consistentes. Minha principal fonte foi a oral, através das entrevistas. Uma curiosidade foi a receptividade e a boa disposição em colaborar que obtive pelas pessoas. Elas realmente me mostraram que os grupos sociais aos quais Halbwachs se refere como indispensáveis à manutenção da memória coletiva ainda existem. Não detectei contradições entre um relato e outro, me inspirando uma certa segurança. Essa boa intenção, somada à disposição de outras pessoas à experiência da entrevista me trouxe a ideia de, posteriormente à apresentação da minha dissertação, no primeiro trimestre de 2022, produzir um livro de entrevistas, incluindo as 14 já realizadas e, possivelmente, acrescentando mais 6, aí sim, inserindo também o meu relato pessoal. É um tema bastante prazeroso de se estudar.

 

5. Como a pesquisa constrói esse processo de ascensão e declínio do Rock Autoral de Conquista?

 Essa divisão em fases foi bastante simples e, aos que pertenceram à cena, mostra-se, até mesmo, um tanto óbvia. Tivemos, a partir de 2000, um boom de eventos de rock e bandas, que, para muitos, pareceu até mesmo repentino. Nesse período, os shows eram organizados, em sua maioria, por pessoas comuns, sem formação ou histórico de produção ou algo parecido. A cena era muito espontânea: a garotada queria ouvir, cantar e tocar rock, então criava seus eventos e suas bandas. O som predominante era o cover (quando uma banda toca músicas de outras bandas, geralmente consagradas pelo mercado), havendo poucas bandas autorais. De festas em residências, a cena chegou aos lendários festivais ao

O radialista Miguel Côrtes, em 2009, no estúdio dO Som da Tribo.
Crédito: Plácido O. Mendes

estilo Woodstock, como o Agosto de Rock, Rock Vertente, ACRock e os palcos do rock nas micaretas. Esses eventos contribuíram consistentemente à firmação de uma identidade e à sensação de pertencimento a um grupo social movido pela música (mas não qualquer música: o rock e gêneros próximos), que atua pela sua manutenção, que chamamos aqui, grosso modo, de cena musical. Esta foi a fase de ascensão, onde todos criaram as bases do movimento, aprendendo suas funções na prática. Já a partir de 2009, o contexto era diferente: a comunicação online evoluíra com a presença dos smartphones, a internet móvel, a banda larga e plataformas de música independente, como o MySpace e o brasileiro Palco MP3, além de iniciativas importantes como o Circuito Fora do Eixo, que transformou a América Latina numa gigantesca cena independente. Aqui, a música autoral, somada ao empreendedorismo musical, tornaram-se a máxima, rumo ao tão sonhado viver de música. Foi quando apareceu o streaming (modelo predominante até hoje, mostrando que as grandes gravadoras fizeram o dever de casa e encontraram seu caminho). O videoclipe ganhou protagonismo e muitas bandas passaram a fazer turnês nacionais. Foi o momento da profissionalização incentivada. Cursos online e ciclos de palestras, oficinas, cursos do chamado negócio da música tornaram-se comum. Nesse sentido, o papel do curso de Comunicação Social da UESB foi fundamental, uma vez que seus alunos participaram ativamente desse processo, através de matérias em sites, programas de rádio, assessorias e comunicação visual, além do grande termômetro da cena conquistense, presente desde o início do recorte: o programa O Som da Tribo, produzido e apresentado pelo saudoso Miguel Côrtes, cujo falecimento em 2012 causou grande impacto na cena. Esta fase que classifico como auge mostra sinais de cansaço a partir de 2013, por uma série de fatores que ainda me debruço para compreender. As bandas passaram a se desfazer. Muitos músicos desistiram da carreira para se dedicar a outras atividades. Não podemos ignorar o fato de que teve início neste ponto uma séria crise econômica que destruiu sonhos. O ano de 2016 foi difícil para todo o mercado musical, e todos os envolvidos na cadeia produtiva sofreram: músicos, contratantes, proprietários de espaços, e o próprio público... Em tempos difíceis, como sentimos na pele neste momento, o primeiro setor a ser guilhotinado é o do entretenimento, o cultural. Não dá pra gastar dinheiro em shows se falta dinheiro para pagar o supermercado. À fase de declínio havia a necessidade de se gerar renda de forma rápida: não era possível trabalhar numa lenta formação de público autoral. Os jovens do ano 2000 tornaram-se adultos com família e responsabilidades. Foi a época do surgimento das feiras gastronômicas e encontros de moto clubes, a maior presença das cervejarias artesanais, e tudo isso demandava uma trilha sonora: os clássicos do rock. Num evento como esse, uma banda autoral pode não ser tão bem-vinda quanto uma banda-tributo. O público deve sentir-se acolhido pelo evento e permanecer ao máximo em seu espaço, e nada melhor que um bom clássico para essa missão. O mesmo se aplica aos bares. Aqui já não temos a predominância das festas independentes: a maioria dos shows de rock acontecem em feiras gastronômicas e bares com suas próprias regras e estratégias de captação de clientela. Esse foi o cenário até chegarmos em 2020, que selou violentamente o fim de uma era.

 

6. De que maneira, a pesquisa aborda a discussão dos riscos de esquecimento em nome da nostalgia? Como músico, como foi tratar essa questão?

Quando apresentei o projeto à seleção de mestrado do Programa, utilizei essa expressão no subtítulo do trabalho: o risco do esquecimento em nome da nostalgia, me referindo a um fenômeno interessante, que se tornou comum na fase de declínio: os contratantes passaram a exigir das bandas que abrissem mão das suas músicas autorais, substituindo-as pelos chamados clássicos do rock: Guns n’ Roses, Led Zeppelin, Black Sabbath, Dire Straits, Deep Purple, Raul Seixas, Legião Urbana... Ou seja: aquela mesma geração do rock conquistense que produziu tanto material original e se inseriu no circuito independente nacional (fato que foi aclamado e incentivado na fase do auge) deixava, gradativamente, de se expressar através das suas músicas para atender a uma crescente carência nostálgica de um público e contratantes que demonstravam não se importar com a cena local. Assim, as bandas-tributo tornaram-se cada vez mais numerosas e esforçadas em reproduzir fielmente os timbres e repertórios de décadas passadas, em especial as de 60 a 80. Como músico, senti na pele essa pressão para tocar músicas que o povo conhece (frase que ouvi inúmeras vezes) e provavelmente este foi um dos grandes motivos que culminaram no desânimo dos meus companheiros, que desistiram da música como profissão, e no desmembramento da minha banda, a Distintivo Blue, em 2017. A cena deu lugar a um mercado, movido pela nostalgia e, consequentemente, o dinheiro fácil e rápido que essa nostalgia proporciona. Importante destacar que não me posiciono contrário à música cover (afinal, cada músico traz em si a liberdade de tocar o que quiser e o público a de escutar o que quiser), mas à substituição da autoral por ela. Esse é o risco do esquecimento a qual me refiro e, sinceramente, não faço ideia do que virá para o rock conquistense pós-pandemia. Me resta apenas torcer para que uma nova cena se forme, mais consciente e forte. Tenho de manter a esperança nos mais jovens. Espero, também, que a minha pesquisa, que ficará disponível a todos, contribua um pouco para isso.

......


Detalhe do interior do Vinew Espetos (Av. Olívia Flores), em 2014. Foto: I. Malförea.

Nesta segunda (28), o Especial das Seis destaca o cenário musical emergente do município baiano de Vitória da Conquista. Para esta edição, convidamos Jacqueline Silva, que é jornalista, radialista e coordenadora de programação da UESB FM de Vitória da Conquista. No programa, ela comenta como os artistas locais se organizam para difundir e promover o que é produzido na cidade no âmbito musical. Além disso, a Jacqueline apresentar alguns dos artistas da cena atual, como o violonista Mateus Soares com “Pequeno Grande Coração”, o cantor e compositor Lucas Gerbazi na autoral “Liberdade Salvador” e os professores Liojes Carneiro e Igor Luiz autores e intérpretes da música “Ausências”.

“Na terceira maior cidade do estado da Bahia a produção musical é uma realidade ativa e constante. Vitória da Conquista é um dos mais importantes centros de produtores de cultura do interior da Bahia, munida da criatividade vinda da observação da temática regional até leituras mais universais. Isso mostra que há música de qualidade sendo feita e exportada em nível estadual e nacional” – Jacqueline Silva

Produção: Juliana Dias

🎧 Ouça hoje (28), às 18h30, e na segunda (5), às 6h, na 107.5 #EducadoraFMBA e no app #EducadoraPlay

------
Publicado originalmente em 28/06/2021, em Facebook.

Ouça agora:



.

Lançamento! Orgulhosamente, gostaríamos de anunciar que "Killer Machine", nosso primeiro trabalho completo, estará en todas as plataformas digitais a partir de 11.06.21, vía @electricfuneralrecords . Estamos felizes em ter o álbum lançado por um selo nacional que conta com grandes artistas. Obrigado por nos incluir no catálogo de vocês! Lembrando que os Cds físicos e as camisetas podem ser adquiridos pelo nosso site (link na Bio).

English:

Release! We're proudly announce that "Killer Machine", our first full-length will be available on the digital plataforms on June, 11th, released by @electricfuneralrecords . We are happy to have the digital album by a national label that has great artists. Thanks for include us in you catalogue, guys! Don't forget, the CD and t-shirts are available in our website (link in the bio).

#pilotwolf #electricfuneralrecords #killermachine #debutalbum #brazillianheavymetal #musicaindependiente #musicaautoral #underground #bahia #heavymetal #metalnacional #metalnordestino #spotify #deezer #amazonmusic #itunes


------
Publicado originalmente em 09/06/2021, no Facebook.

Postagem em destaque

Rock na Veia • Especial Dia Internacional do Rock - TV UESB

Programa exibido em 13/07/2021, às 21h. Apresentação: Jacqueline Silva. TV UESB, canal 4.1.

Temas

1 1 em Pé 2 Alados 1973 1986 1988 1990 1993 1994 1999 2000 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 96 FM A Tarde A Voz do Muro A-Divert Acrock Agosto de Rock Alex Baducha Alisson Menezes Ana Palmira Bittencourt Santos Casimiro Andréa Cleoni Arlindo Polvinthai Artes plásticas Arthur Maia Artigos Assista! Autobox Axé Music Banda de Música do 9º BPM banda Mixta Benjamin Existe Biblioteca Municipal José de Sá Nunes Blog Blue Jam Blues BLUEZinada! Boom!!! Café com Blues Cama de Jornal Câmara Municipal de Vitória da Conquista Canta Bahia Captain Pepper Captain Peppers Carlos Albuquerque Carlos Porto Casa do Rock Casa Memorial Régis Pacheco Caso à Parte CCCJL CCCJL Sessions Centro de Convenções Divaldo Franco Chirlei Dutra chorinho Cinco Contra Um Cine Glória Cine Madrigal Circo de Cultura Clipping CMVC Coletâneas e Discos Especiais Coletivo Suíça Bahiana Conquista Moto Rock Conquista Rock Festival Conservatório Municipal De Música De Vitória Da Conquista Coração de Jesus Cultura Cursos Destaques Deus e as Águas Deus Segue Nossa Guia Deus Seja Louvado Diglett Joes Dinho Oliveira Dirlêi Bonfim Diro Oliveira Discografia Distintivo Blue Divino Espírito Santo documentários Documentos históricos Dona Iracema Dost DP Edigar Mão Branca Edilson Dhio Educadora FM Elomar Em memória Emissoras Entrevistas Erudito: Orquestras e Bandas Marciais Espaço Cultural A Estrada Espaços Ester Barreto Evandro Correia Eventos Excalibur Rock Band Expoconquista Fabio Sena Facebook Fainor Fainor Garage Band Feira de Flores de Holambra Fenix Rock Bar Festivais Festival Avuador Festival da Juventude Festival de Inverno Bahia Festival de Música da Bahia Festival Educadora FM Festival Internacional de Violão Festival Pra Cantar Junto Festival Suíça Bahiana Festival Unimed do Sudoeste de Música FestUesb Filarmônicas Folk FomeStop forró Gafieira Brasil Garboso Geslaney Brito Gil Barros Gilberto Gil Gilmar Cardoso Gilmar Dantas Giorlando Lima Glauber Rocha Graco Lima Jr Grupo Barros Gutemba Heavy Metal Heleno Ribeiro Herzem Gusmão Hinos Humberto Pinheiro I. Malförea Ian Kelmer Iara Assessu Imagem do Mês Inércia Ingrid de Castro Brito Inside Hatred J.C. D'Almeida Jackson Alcântara Jacqueline Jack JayVee Jean Cláudio Jequié Jeremias Macário João Omar Joe Malfs Clan Judson Almeida Julio Caldas Junior Damasceno Kako Santana Kessller Ladrões de Vinil Larissa Pereira Letras & Prosa Liatris Lili Correia Lives Livros Lomantão Lucas Arruda Luciano PP Lúcio Ferraz Luiza Aldaz MAC - Movimento Artístico e Cultural de Vitória da Conquista Magoo Malförea Mallu Magalhães Mandacaroots Manual do Músico Marcelo Lopes March of Revenge Mariana Kaoos Marta Moreno Maurício Sena Mazinho Jardim Memória do Rádio memórias Mi do Carmo Miconquista Mictian Miguel Côrtes MPB MPBlues Musaé Música Autoral Músicos e bandas Natal Conquista de Luz Natal da Cidade Nem Tosco Todo Nem Tosco Todo e as Crianças Sem Futuro Nephtali Bitencourt No Canto do Choro No Palco Nós Vozes & Eles Notícias ÑRÜ O Rebucetê OAB Orion Music Company Os Barcos Pablo Luz Palestras Pandemia Papalo Monteiro Parrázio Paulo César de Araújo Paulo Gabiru Paulo Macedo Pesquisas Pilot Wolf Plácido Mendes PMVC Poções Poesia Point do Rock Praça Barão do Rio Branco Praça Tancredo neves Princípio Ativo Priscila Correia de Sousa Carneiro Público Quarentena Quintas de Maio Rádio Baixaria Rádio Câmara Rádio FM 100 rádios Rafael Flores Raifran Ramanaia Randômicos Raquel Dantas Reason Reggae Regional Reis Renegados Retilínea Revista Gambiarra Roberto Carlos Rock Rock Cordel Rock Vertente Ronaldo do Sax Ronny Voxx Rubenildo Metal Salvador São João Séries SESC Shows Sintoma de Cultura Som da Tribo Sorrow's Embrace Spit Clown Sr. Pokan e os Tangerinas SS-433 Supercílio Tales Dourado Tambores & Cordas Tamires Dias dos Santos Terno de Santo Reis Textos científicos Textos e reportagens de época The Dug Trio The JackHammers The New Old Jam The Outsiders Thomaz Oliveira Titãs Tomarock Tombstone Tonico Almeida Tosco Todo Tres Puntos Três Reis Magos TV Sudoeste TV UESB UESB UESB FM UESC UFPB UMC UNIMUS Vadinho Barreto Vídeo do Mês Videoclipes Viela Sebo-Café Vinew Vinícius da Costa Januário Vitória da Conquista VOceve Xangai

Twitter

Novidades em seu Email

Imagem do Mês

Vídeo do Mês