Músicos e bandas

Artigos

Notícias

Notícias

Shows

Shows

Artigos

Artigos
O Cine Madrigal, provavelmente em 1998. (foto: autor desconhecido)

Em Vitória da Conquista existiu, para aqueles que, como eu, nasceram até a década de 80, um lugar especial, responsável pela criação de diversas memórias afetivas, especialmente de infância: falo do Cine Madrigal, o último cinema de rua da cidade. Inaugurado em 1968, funcionou até 2001, sendo reaberto no ano seguinte para, então, fechar as portas definitivamente em 2007, como reflexo de uma crise que aplacou os cinemas do gênero em todo o país.

Minha lembrança mais antiga de um cinema foi justamente no Madrigal, para assistir Os Heróis Trapalhões (1988), com meu pai. Daí em diante, foram incontáveis as vezes em que subi aquela ladeirinha mágica em direção à sala de projeção. Aqui começa uma das memórias musicais mais marcantes da história da cidade: antes de começarem os trailers, era executada uma música instrumental, que servia para avisar a todos os que ainda estavam comprando pipoca ou conversando na sala de espera, que era hora de procurar seus lugares: o filme iria começar!


A "música do Madrigal" em sua versão LP (primeira faixa)

A música original foi composta por Bob Dylan e lançada no álbum Self Portrait (1970). Inicialmente trazia uma versão bem simples, gravada em março de 1970 em Nova Iorque, com violão, piano e o próprio Dylan solfejando a melodia. Pouco depois, o produtor Bob Johnston adicionou metais e bateria, sendo esta a versão que entrou para o disco. A original chegou a ser lançada como single e, posteriormente, na coletânea The Bootleg Series Vol. 10 - Another Self Portrait (1969-1971). A música conseguiu grande sucesso, alcançando o top 10 em diversos países da Europa, ganhando, inclusive, uma versão em alemão, gravada por Drafi Deutscher, que chegou ao top 20 na Alemanha naquele mesmo ano.

A versão original, gravada por Bob Dylan, direto do vinil, sem os overdubs de Bob Johnston

Já a "versão do Madrigal" foi gravada pelo grupo paulista Os Carbonos, formado nos anos 60. Era uma das chamadas "bandas de estúdio", sempre contratadas para gravar instrumentais para artistas famosos ou mesmo para chamadas de televisão e rádio. Os Carbonos chegaram a gravar com nomes como Wanderley Cardoso, Morris Albert, João Mineiro & Marciano, Gilliard, Gal Costa, Leandro & Leonardo, Zezé di Camargo & Luciano. Outras bandas que também se tornaram conhecidas por trabalhos semelhantes foram Renato e Seus Blue Caps, The Fevers e Roupa Nova. Geralmente esses músicos eram chamados para prestar tal serviço e não tinham seus nomes creditados nos encartes dos discos.

Outra característica marcante da época era o fato de constantemente os músicos/bandas trocarem seus nomes, especialmente para conquistar o público interessado em música estrangeira. Os Carbonos usaram diversos pseudônimos, como Makenzie Group, Andróides, Carbono 14 e, finalmente, The Magnetic Sounds, quando gravaram Wigwam, que, por sinal, é um dos nomes de uma espécie de oca cerimonial usada pelos nativos norte-americanos.


A versão alemã, com Drafi Deutscher

Assim, esta foi a trajetória desta bela música, de Nova Iorque até o imaginário musical e cinematográfico de Vitória da Conquista. O cine Madrigal foi adquirido pela Prefeitura Municipal em 2014, mas, até o momento, permanece fechado. Discussões já foram feitas em direção a uma reabertura, não apenas voltada ao cinema, mas também ao teatro e a música, como um centro cultural municipal.

A versão lançada no álbum Self Portrait (1970)


Fontes:

BoxBrazil
Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira
Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista
Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista
WikiWand
A Distintivo Blue vai entrar em estúdio mais uma vez ainda neste ano! E você pode fazer parte de tudo isso colaborando agora com nosso novo projeto!
A Distintivo Blue (Vitória da Conquista-BA) é uma das principais representantes do blues autoral brasileiro, fora do eixo Rio-São Paulo. Com 10 anos de estrada recém-completados, prepara-se para entrar em estúdio mais uma vez, para a gravação de três faixas: "NJJJ", "Bucking Blues and Some Perky Loonies" e "O Andarilho", que serão distribuídas em todas as plataformas de música através do EP "The JackHammers Sound", em alusão ao projeto "The JackHammers", formado por I. Malförea (baixo, voz), Camilo Oliveira (guitarra, voz) e Nephtali Bitencourt (bateria, voz), atualmente se apresentando regularmente.

Por isso, precisamos da sua ajuda, fã que nos acompanha desde sempre, para pagar os custos com o estúdio, sediado aqui mesmo em nossa cidade. Note que o orçamento é BEM enxuto, por isso tentaremos fazer o melhor trabalho possível, gastando apenas o necessário. Não faremos campanha de divulgação ou nada do tipo: as músicas serão gravadas, e o processo de gravação será documentado por nós mesmos com nossas próprias câmeras e celulares, para a produção de um minidocumentário. DIY!

CLIQUE AQUI, contribua e compartilhe esta página. Só temos UM MÊS para arrecadar esses mil reais. Let's jam, Joes!

Até domingo, 16 bandas vão se apresentar no Conquista Moto Rock

Mais de 40 horas de música, 16 bandas, lojas especializadas, oficina mecânica, borracharia, moto clubes de diversas cidades do país. Esse é o Conquista Moto Rock, que começou nesta quinta-feira (19), no Centro Glauber Rocha – Educação e Cultura.

Promovido pela União de Motociclistas, em parceria com a Prefeitura Municipal, o evento está em sua terceira edição. “É uma programação para toda a família. Nossos portões estão abertos a partir das 8h e esperamos um público flutuante de 35 mil pessoas até o domingo. O Conquista Moto Rock também movimenta a economia da cidade, não somente com o comércio dos produtos expostos nos estandes, mas com toda a movimentação em hotéis e restaurantes, por exemplo”, destacou um dos membros da organização do evento, Bráulio Ferraz.

Além de todas as atividades no Centro Glauber Rocha, o Ginásio de Esportes Raul Ferraz conta com estrutura montada para alojamento dos motociclistas visitantes. Reinaldo Moreira, gerente municipal de Comunicação e Zeladoria é também da organização do Conquista Moto Rock. Ele informou que o ginásio receberá em média 200 motociclistas e ressaltou o apoio da prefeitura em mais um ano de evento. “Chuveiro quente, segurança 24 horas e área coberta atraem os visitantes para esse espaço. São várias secretarias municipais trabalhando juntas e com o apoio das polícias para que tenhamos em 2019 um grande evento como foi nos anos anteriores”, disse.

Jorge Carlos e Patrícia saíram de Brasília e estão pela primeira vez no evento
Quem foi à abertura aprovou o evento. O funcionário público Jorge Carlos Oliveira veio de Brasília pela primeira vez e tem expectativas positivas. “É só o começo e sei que vou curtir muito rock, boa música e motociclismo. Vim convencido pela propaganda e curiosidade e já estou gostando”. Motivada para encontrar amigos, a costureira Nanda Oliveira, de Eunápolis, aprovou: “tudo muito organizado e um lugar bacana para rever amigos, irmãos motociclistas que fazemos por essas estradas”.

O Conquista Moto Rock segue até o próximo domingo (22), às 16h.


---
Postado originalmente em 20/09/2019 em Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista
Edilson Dhio durante apresentação no festival. (Foto: Reprodução/prefeitura de Ibotirama)
O cantor e compositor Edilson Dhio, que  morreu ao cair da varanda da casa onde morava, em Lauro de Freitas, cochilou momentos antes da queda. As informações foram confirmadas pelo pai da vítima ao G1, nesta sexta-feira (30).

De acordo com Manoel dos Santos, o pai do artista, Edilson havia chegado de um passeio com a família e teria ficado sozinho na varanda, onde tocava violão após o almoço. Os familiares não viram o momento da queda.

Ainda segundo informações, o próprio cantor teria confirmado ao pai, no momento em que era resgatado, que havia cochilado. Edilson Dhio caiu de uma altura de 4 metros.

---
Publicado originalmente em 30/08/2019, em Gazeta 5
Print da tela do candidato Evandro Correia no site do TSE
Nas eleições municipais de 2012, o cantor e compositor Evandro Correia candidatou-se a vereador, pelo PC do B, fazendo parte da coligação Frente Conquista Popular, que elegeu Guilherme Menezes (PT) prefeito. O músico não conseguiu ser eleito, ficando como suplente, com um total de 127 votos (0,08%). Nessa eleição, também se candidataram outros músicos locais, incluindo o cantor e compositor Edigar Mão Branca, a prefeito, pelo PV. Confira, abaixo, o folder da candidatura, distribuído via Correios, contendo uma biografia e as letras cifradas de Gema e Menino da Vida, canções mais populares do artista. Para detalhes sobre a candidatura, acesse o DivulgaCand do TSE.



O Nós, Vozes & Eles reúne 3 bandas de Conquista num só show

O cenário underground está crescendo. Com a popularização da internet e o acesso mais fácil aos estúdios de gravação quase não se fala mais em “ser descoberto pelas grandes gravadoras”. Os músicos chamados alternativos estão cada vez mais organizados e profissionais. Em Vitória da Conquista, reconhecido pólo alternativo da Bahia, não poderia ser diferente. Um bom exemplo é o projeto Nós, Vozes & Eles.

Formado por três das mais conhecidas bandas da cidade — Distintivo Blue, Ladrões de Vinil e Tres Puntos, o projeto, na verdade o supergrupo, surgiu após uma entrevista para uma TV local sobre o dia mundial do rock. Na ocasião os três grupos improvisaram duas músicas com a participação de todos os dez integrantes. No mesmo dia foi criado o nome do projeto.

A proposta é fazer várias apresentações até o final do ano. No próximo dia 18(sexta-feira) será o primeiro da série, no já consagrado espaço Apogeu, que completa neste mês quatro anos de funcionamento. As três bandas possuem estilos bastante distintos, indo do blues, passando pelo rockabilly até o rock mais moderno. No show, cada banda apresentará suas melhores canções e dividirão faixas no melhor estilo malabarista, com os três bateristas tocando no mesmo instrumento, duelos de guitarras, vozes e um contrabaixo executado por quatro mãos. Um verdadeiro espetáculo. Simplesmente imperdível.


SERVIÇO

Nós, Vozes & Eles
com Distintivo Blue, Ladrões de Vinil e Tres Puntos
Data: 18/09/2010
Horário: 23h
Local: Apogeu Bar: Rua Vasco da Gama 55, Flamengo. Vitória da Conquista-BA
Entrada: R$ 6,00
Informações: distintivoblue@hotmail.com

LINKS
Distintivo Blue: http://www.distintivoblue.com/
Ladrões de Vinil: myspace.com/ladroesdevinil
Tres Puntos: myspace.com/trespts


---
Matéria produzida por I. Malförea e enviada à imprensa em abril de 2010, para divulgação.
Franck(Baixo), Diego(bateria),Thiago(guitarra),Maurício(guitarra),Igo(vocal)

1. Como e quando surgiu a banda? 

Sempre falávamos em formar uma banda. Daí decidimos aprender a tocar. Isso faz uns três anos. Franck e Thiago fizeram uma banda, Diego tocava em outra, Maurício em outra e Igo em outra. Descobrimos que fazer uma banda é muito mais difícil do que pensávamos, então essas bandas foram se desfazendo e nos juntamos no início deste ano.

2. Quais as influências que vocês carregam e qual o estilo da banda?

Vão desde Hard Rock até o metal mais Pesado: Curtimos Black e Trash Metal, Hard Rock dos anos 80, como Iron Maiden, e muitos outros: Slayer, Sepultura, Dorsal. Nosso estilo é o Trash Metal, mais especificamente o europeu.

3. Vocês já têm alguma música própria?

Temos uma música quase pronta, com letra em inglês. É muito difícil para nós, que não podemos ensaiar muito, Gastar muito tempo ensaiando nossa música, já que também precisamos ensaiar os covers. Estamos tentando adquirir mais equipamentos e montar nosso próprio estúdio para podermos trabalhar mais no nosso próprio trabalho.

4. Qual a opinião de vocês sobre o cenário alternativo conquistense?

Só pra começar, o nome da banda, March for Revenge(marcha para a vingança), surgiu exatamente disso: sempre achamos que aqui há um grande desrespeito com as bandas e o próprio público: Conquista se resume a uns três “produtores” de shows, que não pagam cachê, não colocam um som de boa qualidade, não têm pontualidade na hora de começar os eventos, tampouco um mínimo de profissionalismo. Pelo que ouvimos falar de cenários menores, como Itabuna e Ilhéus, por exemplo, notamos que pelo menos os produtores são mais sérios e as bandas não costumam sair perdendo quando se apresentam, como aqui. Então, diante de tantos problemas ainda aparecem aqueles que pensam que são críticos de música para só falarem mal das bandas sem ao menos terem idéia do quanto é difícil ter uma banda alternativa aqui. A mídia simplesmente ignora a existência do nosso cenário e o próprio público não comparece aos shows, embora esteja sempre reclamando que aqui não acontece nada.

5. Qual o telefone de contato para shows?

(77) 3084-0698, falar com Igor Thiago. Agradecemos o espaço e esperamos a presença de todos no próximo show.

---
Entrevista publicada originalmente em 3/8/2006, em site ignorado até o momento.

Postagem em destaque

Wigwam: a memória musical do Cine Madrigal

O Cine Madrigal, provavelmente em 1998. (foto: autor desconhecido) Em Vitória da Conquista existiu, para aqueles que, como eu, nascer...

Twitter

Novidades em seu Email