Músicos e bandas

Artigos

Notícias

Discografia

Shows

Vagando por aí: a autobiografia de um punk conquistense

Foto: Nem Tosco Todo
A história do rock conquistense nunca foi levada muito a sério, salvo em raríssimos momentos, isto é fato. Esse descaso parte de todos os lados: público, contratantes, pesquisadores e, por incrível que pareça, os próprios artistas, que, de uma maneira geral, não costumam se preocupar com profissionalismo ou mesmo com a importância cultural que carregam. Assim, muitas boas histórias simplesmente se perdem porque ninguém se preocupou em preservá-las. As exceções são raras.

Falando em raridade e exceções, em Conquista há esses casos. Um dos principais é o da banda punk Cama de Jornal. Totalmente underground, desde 2001 faz milagres que nem os adoradíssimos sertanejos conseguem: além de conquistar um público cativo, que canta o repertório do início ao fim do show, a banda conseguiu fazer turnês importantes e dividir o palco com ícones do gênero no Brasil, tendo o Cólera (SP) como exemplo mais óbvio. Foram seis álbuns (incluindo os ao vivo), DVDs, coletâneas, eventos e toda uma rede interligada para provar que o conceito de sucesso nunca esteve necessariamente ligado às referências comuns sobre a palavra.

À frente de tudo isso está o inquieto Emanuel Paulo Moraes Santos ou, simplesmente Nem, apelido que usa desde criança. Figura sempre presente no rock local, é um legítimo adepto do modo punk  de viver, sem dar muita bola para um dos artigos mais caros à sociedade conquistense: as aparências. Nem não se preocupa em parecer com nada: ele apenas é o que é. E assim, segue compondo suas canções, sempre carregadas de mensagens sinceras e registrando-as para a posteridade, inevitavelmente, escrevendo uma bela parte da nossa história. 

Seu mais recente projeto está pronto e à disposição: sua autobiografia Vagando Por Aí, produção independente, como deveria ser, fruto da máxima faça você mesmo (do it yourself - DIY, em inglês), que direcionou toda a sua obra. O livro, com 351 páginas foi escrito, principalmente, em homenagem à sua filha, Alice. Segundo o autor, para que ela soubesse, no futuro, quem realmente foi seu pai, por suas próprias palavras. O título remete à faixa homônima da Cama de Jornal, lançada em seu segundo álbum de estúdio, Comendo Lixo (2004). Por sinal, essa música não me saiu da cabeça um segundo enquanto viajava por suas páginas.

Seguindo a estilística já reconhecida por todos os fãs, a capa conta com uma foto típica do Nem vocalista: parado à frente do microfone, com uma latinha na mão, uma touca (ou um boné, na maioria das vezes), levantando as mãos num daqueles momentos em que pede a parceria do público em alguma letra. O título, com o letreiro aparecendo atrás de um rasgo na página, como se estivesse na folha de rosto, é o padrão que Nem imprimiu também em sua discografia solo. Quem já se familiarizou, reconheceria em qualquer lugar. O selo Tosco Todo, o selo de divulgação criado por ele, claro que não deixaria de se fazer presente.

Nem se preocupou em situar o leitor na narrativa: muitas vezes, ao citar um lugar, uma época, trata de explicar rapidamente esse contexto, o que torna o livro uma valiosa peça no grande quebra-cabeças da história cultural local. Através dele, conhecemos um pouco sobre a cena rock a partir do final dos anos 80 até sua época mais ativa, pós 2000, onde a Cama de Jornal conquistou seu lugar. É muito interessante ler uma autobiografia de um roqueiro onde o cenário é nossa cidade: geralmente se lê sobre lugares distantes e sem muita referência. Aqui, a maioria dos lugares e pessoas surgiam de forma clara na mente, e assim percebe-se a importância desta obra.

Da infância regada a manga à adolescência rebelde e cheia de descobertas, temos aquela etapa tão comum a biografias do rock, com drogas e o álcool, que persegue até hoje o autor. As histórias das turnês por todo o país são inspiradoras e mostram bem o espírito colaborativo do rock n' roll. Sempre bom se lembrar, durante a leitura, que tudo isso é conquistado no underground, sem apoio de imprensa, gravadora ou grandes empresas. O DIY funciona, mas é movido a boa vontade.

Estive presente em vários acontecimentos descritos no livro, como o histórico show no Point do Rock da micareta, em 2004. Eu lembro bem de qual ponto da praça da Guadalajara eu estava quando Nem anunciou: "Galera, é o seguinte: tem dois abadás aqui pra ser rasgado!". Acho que foi o meu primeiro show da Cama de Jornal e me diverti MUITO com o jeitão de Nem. Eu nem soube que esse episódio tivera alguma (má) repercussão à época, mas gostei do que vi, afinal, considerava as músicas pornográficas da axé music um câncer na sociedade, e que nosso espaço ali no cantinho, que já era marginalizado, não seria lugar para mais daquilo. Esse show me marcou como poucos.

Se tenho uma crítica negativa sobre o livro é sobre a total ausência da Casa do Rock, importante espaço que tinha Nem como sócio. Lá muita coisa importante aconteceu: para mim era o legítimo sucessor do Paraki, o lendário bar de rock onde se encontravam todos os alternativos da cidade. A Casa do Rock, pelo simples fato de ser voltado ao ROCK e ter uma vizinhança abastada em plena avenida Rosa Cruz, já era um sinal claro de que não duraria muito tempo. Claro que os "espertíssimos" roqueiros que usavam os muros da vizinhança como mictório e depósito de lixo (estes merecerão um texto à parte, pois não foi só ali que "queimaram o nosso filme") colaboraram muito para o fim precoce do espaço. Enfim, não sei se causaria algum desconforto por algum motivo interno, mas acho que ela mereceria um capítulo inteiro na obra sim. A Casa do Rock ocupa um espaço especial na memória de muitos.

O livro está à venda, atualmente, no Ponto do Disco (de Dalmo Sérgio, vocalista da banda Atestado de Pobreza, bastante citado no livro), em frente ao antigo Cine Madrigal. Nº 126, sala 106. Você também pode comprá-lo diretamente com Nem. Custa apenas R$40,00 (R$50,00 se for preciso envio pelo Correio). 


------
Atualização (03/01/2020):

Em seu perfil no Facebook, Nem publicou o seguinte texto, sobre este post:

Novo site sobre a cena musical de Conquista, produzido por Plácido Mendes, que publicou uma resenha sobre o meu livro "Vagando por aí". Muito boa a resenha, e o site tá muito bonito. Obrigado pelo apoio na divulgação do livro. E já respondendo um questionamento na matéria, sobre a falta de um capítulo sobre a Casa do Rock, um bar que montei em sociedade com Niel Costa e Fábio Novais; pra mim foi uma experiência "traumática", que me deu dor de cabeça e prejuizo por vários anos depois do fechamento da casa em 2014 (até o começo de 2019 eu ainda pagava dívidas de banco que fiz pra abrir o bar). E dessa experiência, não consegui tirar nenhuma história interessante, apesar de a casa ter tido muitos shows legais, mas pra mim o que ficou foi isso, e acho muito pouco pra entrar no livro. É tipo um capítulo que eu quero esquecer, e esqueci propositalmente no livro! Mas sei que vários frequentadores terão suas próprias histórias da Casa do Rock! Ontem mesmo eu estava lá no Buteco de Vitão, na feira, com Chico Ribeiro e a gente falava sobre isso. Leiam a resenha e o livro!

I. Malförea

O "Memória Musical do Sudoeste da Bahia" precisa da sua colaboração. Tem algum material guardado? Gostaria de publicar seu próprio texto aqui? Acrescentar ou retirar algo? Entre em contato através do "fale conosco". Vamos preservar juntos a nossa história!

Nenhum comentário:

Leave a Reply

Temas

1 1 em Pé 2 Alados 1973 1993 1994 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 96 FM Acrock Agosto de Rock Alex Baducha Alisson Menezes Ana Palmira Bittencourt Santos Casimiro Andréa Cleoni Arlindo Polvinthai Artes plásticas Arthur Maia Artigos Assista! Autobox Benjamin Existe Biblioteca Municipal José de Sá Nunes Blog Blue Jam Blues BLUEZinada! Boom!!! Café com Blues Cama de Jornal Câmara Municipal de Vitória da Conquista Canta Bahia Captain Pepper Captain Peppers Carlos Albuquerque Casa Memorial Régis Pacheco Caso à Parte CCCJL CCCJL Sessions Chirlei Dutra chorinho Cinco Contra Um Cine Glória Cine Madrigal Circo de Cultura CMVC Coletâneas e Discos Especiais Coletivo Suíça Bahiana Conquista Moto Rock Conquista Rock Festival Coração de Jesus Cultura Cursos Destaques Deus e as Águas Deus Segue Nossa Guia Deus Seja Louvado Diglett Joes Dinho Oliveira Dirlêi Bonfim Diro Oliveira Discografia Distintivo Blue Divino Espírito Santo Documentos históricos Dona Iracema Dost DP Edigar Mão Branca Edilson Dhio Educadora FM Elomar Em memória Emissoras Entrevistas Erudito: Orquestras e Bandas Marciais Espaço Cultural A Estrada Espaços Ester Barreto Evandro Correia Eventos Excalibur Rock Band Facebook Fainor Feira de Flores de Holambra Fenix Rock Bar Festivais Festival Avuador Festival da Juventude Festival de Inverno Bahia Festival de Música da Bahia Festival Educadora FM Festival Internacional de Violão Festival Pra Cantar Junto Festival Suíça Bahiana FestUesb Filarmônicas Folk FomeStop Gafieira Brasil Garboso Geslaney Brito Gil Barros Gilberto Gil Gilmar Cardoso Gilmar Dantas Glauber Rocha Graco Lima Jr Grupo Barros Gutemba Heleno Ribeiro Hinos I. Malförea Ian Kelmer Iara Assessu Imagem do Mês Ingrid de Castro Brito J.C. D'Almeida JayVee Jean Cláudio Jequié Jeremias Macário João Omar Judson Almeida Julio Caldas Kako Santana Kessller Ladrões de Vinil Larissa Pereira Letras & Prosa Liatris Lili Correia Livros Lomantão Lucas Arruda Luciano PP Lúcio Ferraz Luiza Aldaz MAC - Movimento Artístico e Cultural de Vitória da Conquista Magoo Malförea Mallu Magalhães Mandacaroots Manual do Músico Marcelo Lopes March of Revenge Mariana Kaoos Marta Moreno Maurício Sena Mazinho Jardim Mi do Carmo Miconquista Mictian Miguel Cortes Miguel Côrtes MPBlues Musaé Música Autoral Músicos e bandas Natal Conquista de Luz Natal da Cidade Nem Tosco Todo Nem Tosco Todo e as Crianças Sem Futuro Nephtali Bitencourt No Canto do Choro No Palco Nós Vozes & Eles Notícias ÑRÜ O Rebucetê OAB Orion Music Company Os Barcos Pablo Luz Palestras Pandemia Papalo Monteiro Paulo César de Araújo Paulo Gabiru Paulo Macedo Pesquisas Plácido Mendes PMVC Poções Poesia Point do Rock Praça Tancredo neves Princípio Ativo Priscila Correia de Sousa Carneiro Público Quarentena Rádio FM 100 rádios Rafael Flores Raifran Ramanaia Randômicos Raquel Dantas Reason Reggae Regional Reis Renegados Retilínea Revista Gambiarra Roberto Carlos Rock Rock Cordel Rock Vertente Ronny Voxx Rubenildo Metal Salvador Séries SESC Shows Sintoma de Cultura Som da Tribo Sorrow's Embrace Spit Clown Sr. Pokan e os Tangerinas SS-433 Supercílio Tales Dourado Tamires Dias dos Santos Terno de Santo Reis Textos científicos Textos e reportagens de época The Dug Trio The JackHammers The New Old Jam The Outsiders Thomaz Oliveira Tomarock Tombstone Tonico Almeida Tosco Todo Tres Puntos Três Reis Magos TV Sudoeste UESB UESB FM UESC UFPB Vídeo do Mês Videoclipes Viela Sebo-Café Vinícius da Costa Januário Vitória da Conquista VOceve

Twitter

Novidades em seu Email

Imagem do Mês

Vídeo do Mês